top of page

134ª CIRANDA MENSA CAPPAZ - HOMENAGENS AS MÃES

Atualizado: 25 de fev. de 2022




ÍNDICE CIRANDA TEMÁTICA (Concorrendo ao título de mestre cirandeiro) Aila Brito (22) Akasha De Lioncourt (32) Antônio Luiz Moreira de Oliveira (23) Carlos Reinaldo de Souza (29) David de Carvalho (16) Dilson Ferreira da Silva (03) Diná Fernandes (21) Fátima Peixoto (20) Fernando Alberto Salinas Couto (28) José Maria de Jesus Raimundo Silva (13) Josue Ramiro Ramalho (04 ao 08) Joyce Lima Krischke (01 e 02) Lúcia Silva (24 e 25) Luciene Alves (18) Marcelo de Oliveira Souza (10) Marina Martinez (30 e 31) Negra Luz (12) Odilon Machado de Lourenço (17) Patrícia Ferreira dos Santos (14) Rosana Carneiro (15) Roseleide Farias (27) Roseli Farias (19) Roselia Bezerra (11) Sandra Lúcia (26) Vera Passos (09)

ÍNDICE CIRANDA TEMÁTICA Akasha De Lioncourt (09 e 10) David de Carvalho (04) Diná Fernandes (06 e 07) Eda Bridi (08) Joyce Lima Krischke (01) Roseli Farias (05) Sandro Toledo Rocco (02 e 03)

ÍNDICE TEMA LIVRE Aila Brito (05 e 06) Akasha De Lioncourt (09) Dina Fernandes (02, 03 e 04) Fátima Peixoto (01) Francisco de Assis Vitovski (10) Lourdes Ramos (07) Marina Martinez (08)

PARTICIPAÇÕES CIRANDA TEMÁTICA (Concorrentes ao Título de Mestre Cirandeiro) -01- Rosas Joyce Lima Krischke


Balneário Camboriú/SC -02- Amor de Mãe Joyce Lima Krischke


Balneário Camboriú/SC -03- Inevitável Dilson Ferreira da Silva "Virgem Maria mãe de Jesus rogai por nós seus adoradores, agora, na hora e depois da morte, amém!" (Oração Católica) I n e v i t á v e l ! Já faz tempo que ela se foi para o além Mulher de fibra e guerreira destemida De Deus Pai, ganhou a bênção merecida E pela fé, teve a graça que convém. Mulher cristã que praticou sempre o bem Cuidou dos filhos em condição sofrida E venceu os obstáculos desta lida; Mãe igual a essa, ainda não vi ninguém! Aqui lutou, perseverou, e venceu E a sua salvação não será à-toa Pois, seu lugar no céu, Deus já escolheu. Pra aguentar esse adeus, precisei ser forte Infelizmente, mesmo sendo tão boa, Minha Mãe não se livrou da certa morte. 05/05/2020 - DILSON / NATAL / RN - -04- Ser Mãe Josue Ramiro Ramalho


Salvador/BA -05- Minha Mãe Josue Ramiro Ramalho


Salvador/BA -06- Ser Mãe Josue Ramiro Ramalho

Salvador/BA -07- Quem é Você Minha Mãe Josue Ramiro Ramalho


Salvador/BA -08- Coisas de Mãe Josue Ramiro Ramalho



Salvador/BA -24- Maravilha na Lagoa Lúcia Silva

Currais Novos/RN -25- Amor de Mães Lúcia Silva



Currais Novos/RN -26- Mãe Sandra Lúcia Candura de um mar de rosas Tão bela e perfumosa Com sementes germinadas No jardim do coração. Flor divina e generosa Teus seios exuberantes No fulgor das rosas Denotam a presença da gestação. Sublime é tua canção Que flui nos regatos tênues e frios O calor do sol majestoso Que ao encanto do luar se perde em madrigal. Teu amor acalma e vence os desafios Ampara os teus filhos que gestastes meses a fio Como se o tempo parasse Na mais bela infância. Mãe, tão forte, poderosa, divina e majestosa, ES o amor do Criador Na transitoriedade do Vaso Sagrado Ao planeta regenerador. Lauro de Freitas/BA -27- "Minha homenagem às Mães" Roseleide Farias Quisera eu poder sentir, falar, Fazer preces e em comunhão, Dizer dos nossos sentimentos Por este Ser tão maravilhoso, Deixar transparecer Gratidão. Mãe querida, o tempo passou, A saudade dói no meu coração, A tua grande proteção, o afeto, Sempre em teu olhar aos filhos, Aos amigos, tua compreensão. Perdoa-me minha mãe querida, Eu nem sempre estar presente São tantas lutas, dores da vida, Que nem sempre enxergamos Quem mais ama e quer o Bem! Cabedelo/PB, 23/05/2020. -28- Homenagem às Mães Fernando Alberto Salinas Couto Falar pras mães, outra vez, em momentos tão difíceis é só repetir aqueles clichês de alguém com o esplendor e mulher com dons incríveis, expressão máxima do amor, em momentos inesquecíveis. São mulheres predestinadas que chegaram a este mundo pra arrancar de nossas vidas todo e qualquer problema que num devaneio profundo o poeta transforma em tema. Rio de Janeiro/RJ – 22/05/20 -29- Homenagem às Mães Carlos Reinaldo de Souza Existe um ser genial, que é capaz de gerar a vida, um bem divinal, e faz o amor transbordar. Este ser é muito belo, tem a beleza da flor, tem um amor mui singelo, mas a força é de um trator. Supera todas querelas e luta com altivez, vence gigantes, procelas, faz tudo com lucidez. Este é um ser mui capaz, tudo resolve a contento, sensível, forte e sagaz, e brilha no firmamento. Parece estrela brilhante e vale mais do que o ouro, e brilha mais que o diamante, seu nome é MÃE, um tesouro! -30- Mães Marina Martinez Confesso, mais uma vez, minha dificuldade em escrever sobre o Dia das Mães. Talvez Freud explique, mas, nessa altura da vida, nem sei se quero. Fui filha. Sou mãe. Com virtudes e erros. Apenas humana, na maioria das vezes. Acredito que, historicamente, ocorreu um movimento social ‘endeusando’ a figura materna. Religiões cobram o papel da mulher ‘mãe’, formadora de famílias com determinados predicados, estabelecidos em sociedades governadas por homens. Aquelas que não puderam/quiseram ser mães, muitas vezes foram execradas, excluídas, como seres não ajustados para cumprirem esse papel. O que penso pode ser encontrado em vários episódios da história do Homem. A fêmea sempre cuidou de suas crias. E de crias alheias. E muitas mulheres, mesmo sem filhos biológicos, foram, são e serão mães. E, agora, na conjunção mais atual, serão pais também. E falando em pais, nessa mesma conjuntura, a família pode ser constituída a partir de duas pessoas do mesmo sexo. Muito mudou na face social. E não estou, de modo algum, menosprezando a figura materna. Apenas ratifico o que penso há muito: a imagem maternal, mesmo reverenciada, por vezes oprime muitas mulheres. Há cobranças históricas a respeito desse papel. Por ser filha e mãe, me permito não ‘celebrar’ com entusiasmo o dia das mães, hoje data marcantemente comercial. Mas apresento o meu respeito a quem o festeja, desejando que gestos de carinho se repitam nos demais dias do ano. Porto Alegre/RS 31- Dia das Mães Marina Martinez Hoje é dia das mães (como se não o fossem os outros dias). No espelho, me encarando, há uma filha procurando sua origem; nos olhamos e nossas mãos, contrárias e frias se tocam sem se encontrarem. Não me recordo de vê-la, outras vezes. Baixo os olhos e ela se esconde, quem sabe voltando ao seu escondido mundo. Quando retorno para revê-la, só encontro a minha cara, ansiosa. Ela se foi, não sei para onde. Enxugo uma lágrima teimosa. Arrumo os cabelos, pinto a boca e tento não lembrar dela, escondida dentro de mim, em algum canto, bem fundo. Hoje é dia das mães... Quem sabe por isto ela veio... Porto Alegre/RS -32- Mãe Akasha De Lioncourt Dizer algo sobre a minha mãe, Neste dia especial, É muito pouco para expressar, O quanto ela é me é essencial. Minha amiga de todas as horas, Meu amparo no desespero. Comemora comigo as vitórias, E me acalanta enquanto as espero. Mãe que luta, que se esmera, Que se torna presente todo o tempo. Sempre tem uma palavra, Que alivia qualquer sofrimento. Obrigada, minha mãe querida, Por ter me acolhido toda a vida. Seu amor me educou para ser, Eternamente guerreira e atrevida. São Paulo/SP – maio/2020


PARTICIPAÇÕES CIRANDA TEMÁTICA -01- Mãe do Drogado! Amor Incondicional... Joyce Lima Krischke

Balneário Camboriú/SC -02- Concepção Sandro Toledo Rocco Nesse mundo tão controverso, em que atualmente vivemos, Onde os valores estão deturpados, e tantos erros cometemos, Há ainda um oásis de esperança... Embora soframos tantas desventuras, e nos aflija a solidão, Existe uma luz que inda brilha, nos ampara e dá proteção, Fonte de apoio e de pujança! Nosso existir, tão eivado de males, distorcido e conspurcado, Inicia-se sob a égide de uma personagem de forte significado, Pois é dela que nós nascemos... Seus cuidados, carinhos e ensinamentos, primordialmente, Serão o alicerce que sustentarão nosso corpo e nossa mente Enquanto aos poucos crescemos... Deus, em sua sabedoria infinita, tentando nos salvaguardar, Designou um anjo a cada um de nós, sempre a nos orientar, Durante a nossa formação! Esta figura inconteste, imprescindível e sem equivalência, É fonte de energia, de benignidade e condescendência, Uma portentosa inspiração... Não há em todo planeta um amor mais afável e profundo, Do que o da criatura benfazeja que te colocou neste mundo, Num instante de esplendor.... Inda assim, invariavelmente, não lhe damos reconhecimento, Nunca tratamos com respeito devido seu enorme sofrimento, Nem o seu inabalável amor! De forma ingrata, desdenhamos de sua eminente preocupação, E não damos ouvidos aos seus conselhos, ou à sua oração! Que arrogantes somos... Essa boçalidade sem propósito nos custará caro, no futuro, Quando nos dermos conta que o viver é fatigante e duro, E quão ineptos fomos! Às mães de todo mundo, uma prece de efusivo agradecimento Pelas árduas lutas, lágrimas derramadas, preces e padecimento, Aos quais nem fazemos jus... São vocês que norteiam a Humanidade, com seu garbo e brilho, Pois se doam, impolutas, plenas, em função de qualquer filho, Ao conceber-lhe a luz! Mães... perdoem a rebeldia de seus filhos inconsequentes, Que somente com o passar dos anos, opressivos e reticentes, Entenderão sua relevância... E se quedarão, pensativos, sob o jugo da idade e da ausência, Do tesouro que perderam, terão enfim plena consciência, Contudo, já será finda a infância! Santa Albertina-SP -03- Ode Mátria Sandro Toledo Rocco Deus nos criou à sua imagem e sua semelhança, E nos ama como Pai, em Sua divina concepção... Porém, ciente de que éramos frágeis e arrogantes, Sabia que precisaríamos de cuidados e proteção! Designou então uma gigantesca legião de anjos Para cuidar de cada um de nós, individualmente, Dando a cada anjo com o santo nome de “MÃE”, Sinônimo de carinho eterno e afeto permanente... E ainda que sejamos sempre rebeldes e ingratos, Não reconhecendo nunca o seu inestimável valor, É inegável seu papel primordial em nossas vidas, Pois “MÃES” são personificações plenas do Amor! Santa Albertina - SP -04- Ondas do Tempo David de Carvalho Sabe mãe, Hoje em frente ao mar vendo as ondas bravias que cresciam lentamente até chegarem ao ápice e, Depois, declinarem, até vir lamber as areias da praia em sucessões intermináveis que deixavam, cada uma, as suas marcas n’areia, alimentando a força das ondas que chegavam depois. Não pude deixar de pensar em cada um de nós como ondas. Pensei nas pessoas e nos seus instantes como as ondas que se fazem e se desfazem na areia do tempo, Deixando suas marcas eternas e Alimentando, na sua passagem, Com suas águas, quais as ondas, A vida das futuras gerações. Foi assim mãe, Que pensei em todos e nas suas marcas gravadas em nós, Nos seus momentos como marcas na areia do tempo, Ainda presente em nossa carne e Em nossas memórias. Os vi a todos, dentro e fora de mim, Em cada canto da nossa casa, Da nossa cidade e, Em cada um deles, consegui sentir os seus e os meus instantes, Em cada rua que passo e que passaram. Sim mãe, Esta é uma nostalgia, Uma quase dor com várias saudades, É sentimento de lembranças e prazer de cada vida, em nós, compartilhada. Pensei naqueles que não tivemos oportunidade de conhecer, mas, Que habitam as entranhas do nosso ser, Da nossa história e compõem a atmosfera e a poética da vida que declamamos sob este céu. Às vezes os flagro falando através de nós em bom português-nagô-baiano-tupi, Nos conceitos e nas crenças, Pois, nunca fomos um, mas, muitos que aqui antes chegaram e prepararam os caminhos das águas, que hoje, Quais ondas, seguimos. Até que, um dia, eternamente, Beijemos a areia dos tempos, Deixando nossas marcas e Alimentando, com nossas águas, As vidas de mais alguém. São tantos os momentos que os vejo em minhas memórias vividas e não vividas, Em ruas que muitas ou nenhuma vez passei que, Qual o poeta Pessoa, traço as palavras e As frases das nossas conversas em cores, em fachadas e Nas flores dos jardins, pois, Que graça teria a vida se não existissem as artes, Os momentos de sonhar, De fantasiar e de lembrar! É assim mãe que passo frete as portas, Sentando-me nas calçadas da Álvaro Adorno, Descendo correndo pela Estrada da Rainha, Enquanto dou uma piscadela para a moçoila que passa recatada pela Chile e Vou pagar penitência na Catedral da Sé. E faceiro mergulho nas águas do Rio Vermelho, Enquanto puxo a rede nas águas de Itapuã e Acompanho as Naus à Ribeira. E, no Terreiro de Jesus, Acompanhado por capoeiras sigo ao Pelourinho brincando alegremente o entrudo em memória dos velhos e novos carnavais. E, em certa rua, declino a cabeça enquanto vou tirando o Chapéu caminhando em direção a Aclamação, Acompanhando o cortejo da procissão que passa pelo Portal da Misericórdia e, É lá que rezo um credo que ainda ecoa em qualquer lugar. Eu sei mãe, São tantos momentos que não vivemos, Mas, todos, de certa forma, habitam em nós, Pois, são tantos os lugares que nós e as nossas eternas ondas passaram, Passamos e passaremos, Que os tocamos sem nunca os termos vivido ou deixado de vive-los. É isso que torna cada vida um único e belo cortejo, um beijo no tempo, Nos tornando a todos eternos passantes e, Os sinos sempre estarão a dobrar no alto dos campanários, Anunciando que ainda e, Sempre, todos nós, estaremos, Sem nos perder, por aqui. Salvador/BA - 31/03/2019 -05- Um Exemplo de Mãe Roseli Farias

São José/SC -06- Ser Mãe, Dura Jornada Diná Fernandes

Cabedelo/PB -07- Dina Fernandes

Cabedelo/PB -08- Ternura de Mãe Eda Bridi Traz em si a vida. Mistério de amor! De seu ventre dá à luz o filho E de seus seios o alimenta E no berço o filho acalenta Nina seu sono Canta doces cantigas E da noite escura o medo afugenta Emociona-se ao ouvir o filho balbuciar “mamãe” E ao dar os primeiros passos Em direção a seus braços. Emociona-se ao levar o filho à escola Já não é mais só seu Ele parece dizer: “O mundo é meu” Mãe sábia Sabe que o filho precisa crescer Em idade, amor, sabedoria e graça. Mãe aconchego, mãe ternura Nina em seu colo o filho, mesmo crescido, Para sentir a segurança materna Como outrora Toda mãe traz o filho no coração E nutre o mesmo desejo: Ser luz a iluminar o caminho do filho amado E zelar pela sua felicidade. Sobradinho-RS -09- Para a minha mãe Akasha De Lioncourt Falar sobre mãe é complicado, Porque todos já disseram tudo, Mas encontrei uma maneira sutil, De escrever algo inédito, contudo. Decidi falar sobre aquela, Que me trouxe ao mundo certa vez, E tornou-se a pessoa mais importante, Preenchendo minha vida desde a meninez. Minha mãe é um ser iluminado, Guerreira, sábia, amorosa. Ninguém pode mexer com seus filhos, Pois ela vira uma fera poderosa. Sua fé também é um grande exemplo, Sua proximidade com o Criador. E ensinou-me desde pequenina, Que não somos nada sem o seu Amor. Angelical, gentil, carinhosa, Dedicação é seu adjetivo mais bonito. Assim é a minha amada mãezinha, E é disso tudo que eu necessito. São Paulo/SP – em algum momento de 2014 -10- Natureza: Mãe Akasha De Lioncourt Mãe que prepara o berço, E nos dá o alimento, O fruto mais doce, A água mais pura. Mãe que dá o remédio, Da árvore mais frondosa, Da folha mais verde, Da flor mais perfumada. Mãe, que nos pede socorro, Por todas as queimadas, Por toda a destruição, Que causamos em suas matas. Mãe que nos implora piedade, E nos mostra as cicatrizes, Por todas as atrocidades, Que o homem já realizou. Mãe que finalmente se cansa, De ter tanta esperança, Que um dia tudo modifique. E, finalmente, ela nos castiga, Com enchentes, nevascas, Entre outras tantas calamidades, Como uma forma de mostrar, Que apesar de ser Mãe, Ela também pode se zangar. Akasha De Lioncourt - 06/2009 PARTICIPAÇÕES TEMA LIVRE -01- Olhando a vida pela janela Fátima Peixoto De repente ficamos prisioneiros dentro da nassa própria casa. Nosso passar tempo é olhar a rua As pessoas que teimam em sair de casa Por necessidade se aglomeram na fila de um banco para receber o auxílio, Era para ser emergencial, mas pra muitos nunca chega. Confinados em casa agradecemos por mais um dia. Ainda temos a opção de olhar o amanhecer e entardecer. Temos esperança que tudo vai passar E vêm as perguntas: O que aprendemos com tudo isso? Vamos valorizar mais a vida? O que é mais importante? É inacreditável o que está acontecendo. Ninguém imaginava uma coisa dessa. Será que seremos melhores? Cabedelo/PB -02- Fantasia segredada Dina Fernandes Detenho minha fantasia Bem segura; inacessível Guardo para que um dia Possa tornar realizável Sei porém; nada plausível Segredar meu pensamento Isso é insensatez inegável. Que não me causa tormento Mas, creio ser perfeito, Ocultar, me parece cedo. Mas, faz parte d’um preceito Se há entrave no enredo. Cabedelo/PB -03- Quero um mundo Diferente (Sem a vogal “A”) Dina Fernandes Quero um mundo diferente Espero sim, por novos seres, libertos Plenos de júbilo e cerzires, conscientes D’um novo viver que esteve encoberto. O viver que nos une em solidez Isento do velho egoísmo, De ego preenchido de polidez Sensível, desprovido de despotismo. De mente reluzente como o brilho do sol De olhos serenos sem nuvens gris Com desejos de servir e viver em prol De quem vive sem diretriz. Cabedelo/PB -04- Efeitos do Confinamento Dina Fernandes Anoitece, o fim de tarde é dolente e melancólico, algazarra dos pássaros, sinfonia que toca meu coração queixoso ao longe uma canção dolente, é uma canção de saudade, é um canto pungente de ave sem ninho procurando abrigo. Já não vou ao café, as portas estão baixadas, ruas estão desertas, preciso d’um oásis em meu árido coração Sinto o clima nostálgico da tarde que se apaga, caindo sobre mim. E eu guardo de sobejo O calor do último abraço Naquela tarde de sábado. Antevejo um poema triste!! Cabedelo/PB -05- O Jardineiro e a Flor Aila Brito - Por que tanto contempto, ó bela flor, se a ti, só tem amor, meu coração? Por que negar o encanto da paixão, e cultivar em mim tão grande dor? - Sou grata a ti, ó nobre sonhador! Mas como contornar tua aflição? Sou flor, inerme, e sem u'a solução, que possa dar-te um voto animador! - Sou consciente e nada peço em troca, apenas que me cure essa ferida; me aceita teu zeloso cuidador?! - Sou complacente ao brado que ora evoca * Tu, jardineiro, e eu, flor preferida * Pactuando em sangue e seiva, esse amor. Cocal/PI -06- Dentre às Preferidas, a Flor Eleita (O Jardineiro e a flor - II) Aila Brito Nasceu no meu jardim de margaridas, altiva flor, de branca tez fragrante, trazida pelo vento sul migrante, medrando, bela, dentre as preferidas. Porém, distante das irmãs queridas, do seu vergel, bem longe, fez-se errante! Chorava dia e noite... E em seu flagrante, chorei com ela, e em mim, abriu feridas. Crescia assim, tristonha, a pobrezinha... E no meu peito, o amor, surgindo forte; já não podia vê-la tão sozinha! E envolto nesse instante de ardor, pedi-lhe ser a minha 'flor consorte' - ao que ela disse sim, ao nosso amor! Cocal/PI -07- Pandemia, o Passo a Passo Lourdes Ramos Não se faça tão impaciente O tempo ainda não chegou No entanto, mantenha o seu foco E veja que falta muito pouco A fé vê o que ainda não é E é como chegar a possuir Só mais um tempo Só mais um passo... Com alegria e a sorrir Verá bom tempo se aproximar: Mesmo de longe Dê-me um abraço Reforce os laços No passo a passo O infinito vai conspirar Sempre a favor Ao confiar em nosso EU SOU Irá passar... Hei! JÁ PASSOU! Rio de Janeiro/RJ -08- Teias Coloridas Marina Martinez Acordou às sete horas da manhã, como sempre. Espreguiçou-se devagar, para não acordar o marido, saiu da cama e foi se lavar. Quando escovou os dentes, sentiu alguma coisa diferente, cuspiu e, surpresa, examinou um fio cor de rosa, tênue, frágil. Esqueceu o fato no transcorrer do dia, até que, após o jantar, aconteceu de novo, e era azul, da cor do céu. Ficou impressionada! Iria ao médico no outro dia. Dormiu pouco, agitada, aguardando o amanhecer, sem saber o que esperar. E de novo aconteceu. Mais uma delicada cor, verde bem claro. E assim foi durante o dia, com a mesma variação de colorido e a mesma consistência. Eram pequenas partes de uma teia de aranha, mas com as cores do arco-íris: lilás, amarelo, rosa. Não foi ao médico nem falou sobre o assunto com outras pessoas. Tinha um segredo e percebeu algo diferente acontecendo em seu interior. Cada fio colorido que saia de sua boca era como se estivesse limpando cantos de sua memória, como se realmente teias se soltassem de seus mais antigos sonhos, desejos, anseios, arrependimentos. Acordava cada dia mais solta, mais bonita, sem medo de se olhar no espelho, tocando com carinho cada ruga do rosto, amando seu cabelo, já quase todo branco. Sentia cabeça leve, coração sereno, corpo harmonioso. Após alguns meses, notou que as teias coloridas diminuíam de tamanho, ficavam mais claras, até que não mais saíram. Mas não se preocupou com o fato. Sentia-se uma mulher arejada, sem grandes arrependimentos, desejos, sonhos, anseios. Aceitava e entendia seu pequeno mundo, conseguindo ser feliz em suas limitações. Tinha, também, mais uma certeza: era a única pessoa do mundo a ter visto seu interior ser limpo, canto por canto, teia por teia. Porto Alegre/RS, Outubro/1994 -09- Degraus da Vida Akasha De Lioncourt Quando galgares os degraus da tua vitória, Saibas alcançar o topo com humildade. De nada adianta usares tanta arrogância, Se desconheces a tua inteira verdade. Se usas de artifícios para subirdes, E estes depuserem contra o teu caráter, Cuida, ainda que sejais ateu: Ação e Reação até a física já concebeu! Não basta ides ao topo, se lá não te mantiveres, A queda é dolorosa e pode trucidar-te Sejais vigilante, não temais, mas observas, Orar e vigiar: certamente irão salvar-te! Felizes são aqueles que lutam por toda a vida, São eles venturosos, conhecem o sabor da vitória. Imprescindíveis, assim podem ser chamados, Aqueles que, honradamente, fazem a sua história! E, tomai cuidado quando pisardes em alguém, Pois certas feridas nem o tempo as cicatriza. Mas, se viverdes com sapiência em abundância, Sereis por demais venturoso em tua vida! São Paulo/SP - 01/2005 -10- Francisco de Assis Vitovski

Balneário Camboriú/SC

21 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page